Amortização – saiba o que é e como calcular!

por Adove Comunicação / 17 abril 2019 / Sem Comentários

Financiamentos e empréstimos são muito comuns. A questão é que eles demandam muito controle e planejamento para que não se tornem um grande problema, concorda?

A amortização é um processo onde o pagamento dessa dívida é feito periodicamente com o intuito que em um determinado tempo ela seja exterminada. Mas, ela não se trata de pagar apenas o que você pegou emprestado. Existem outros encargos que também precisam ser pagos.

Então, como as dívidas e encargos podem variar, existem algumas possibilidades de pagamento delas. Nesse sentido, descubra o que é a amortização, quais são as formas de pagar uma dívida e como calcular! Continue a leitura!

O que é amortização?

A amortização ocorre quando você antecipa pagamentos ou quita uma dívida através de pagamentos feitos periodicamente. O cálculo é feito através de um planejamento, onde cada prestação corresponde à soma do reembolso do capital ou do pagamento dos juros do saldo devedor, podendo ser o reembolso dos dois.

Nesse processo cada parcela a ser paga é referente ao valor total da dívida, ou seja, ela inclui juros, impostos e todos os demais encargos estipulados entre as partes quando a dívida foi assumida.

As parcelas então podem ser fixas ou variáveis, conforme a tabela utilizada que vamos apresentar as opções logo a seguir.

A amortização é feita sobre o chamado principal da dívida, que é o valor que que foi emprestado ao devedor. Por exemplo, se você fez um financiamento de R$ 200 mil para a compra de um apartamento, o principal da dívida será esses R$ 200 mil. Porém, as parcelas não incluem apenas a amortização (uma parte deste saldo) mas também juros e taxas.

A amortização e demais encargos podem ser distribuídos de maneiras distintas nas parcelas do financiamento e é por isso que existe mais de um tipo de tabela/sistema que pode ser utilizado. E vamos falar sobre todas elas agora.

Para amortizar uma dívida é necessário que o pagamento seja maior que os juros cobrados no período, conforme informações do site Faz a Conta. Ele menciona que a conta basicamente é:

Amortização = pagamento – juros

Ou seja, o valor amortizado é o que sobra do pagamento depois de descontados os juros. Por exemplo, se uma dívida inicial de R$ 1.000,00 acumulou R$ 40,00 de juros após um mês e foi feito um pagamento de R$ 90,00, então a amortização foi de R$ 50,00 (=90 – 40).

Quais são os Sistemas de Amortização?

Vamos apresentar todos os sistemas/tabelas de possibilidades de pagamento das parcelas. A Tabela SAC e a Tabela PRICE são os métodos mais comuns no Brasil. Porém, existem também o Sistema Americano e o Pagamento Único.

Tabela SAC

SAC significa Sistema de Amortização Constante e é muito utilizado em financiamentos imobiliários. A principal característica deste método de amortização é que os valores das parcelas são decrescentes, ou seja, vão diminuindo até que se chegue a última. E ainda, neste caso são amortizadas partes iguais do valor total do empréstimo.

Mas, você deve estar pensando por que o valor a ser pago é o mesmo em todas as parcelas?

O método SAC prevê uma amortização constante, ou seja, todos os meses o devedor abate um mesmo valor do principal de sua dívida. A diferença no valor das parcelas ocorre devido aos juros. Como os juros são calculados sobre o saldo devedor, ou seja, sobre aquilo que ainda falta pagar, eles são maiores no início do financiamento do que no final. As parcelas ficam menores ao longo do tempo porque os juros ficam menores.

É importante lembrar que em financiamentos muito longos, é comum a correção monetária seguindo a Taxa Referencial, compensando qualquer efeito que a inflação possa gerar.

Para fazer o cálculo dela, é necessário apenas calcular o valor e acrescentar a Taxa Referencial nos juros.

Exemplo de cálculo na tabela SAC

Basicamente a conta é:

Valor da parcela = % Amortização + Juros

Para se ter o percentual de amortização basta dividir o valor da dívida pelo número de meses acordados para realizar o pagamento. Quer um exemplo?

Vamos supor que você financiou a compra de um imóvel no valor de R$ 300.000,00 em 120 meses com 0,68% de juros ao mês. O primeiro a ser calculado é o percentual de amortização. (VERIFICAR ESSA CONTA SE ESTÁ CORRETA)

Amortização = 300.000/120 = 2.500,00

1ª Parcela = 2.500 + 0,68%*300.000 = 2.040,00

2ª Parcela = 2.500 + (0,68%*(300.000-1*2.500) = 2.023,00

3ª Parcela = 2.500 + (0,68% (300.000-2*2.500) = 2.006,00

Tabela PRICE

A principal característica desse método de amortização é que as prestações são constantes e o valor de cada parcela não muda com o tempo. Muito comum e utilizado em crediários de móveis e eletrodomésticos.

Cada parcela é calculada com base em uma cota de amortização de juros e ocorre o sentido inverso ao longo do financiamento. A primeira parcela é menor e vai aumentando em função da Taxa de Referência.

Então, nesta situação o valor da amortização não é constante, em alguns meses existe uma redução maior do principal da dívida do que em outros.

Normalmente nesse método a diminuição do saldo da dívida ocorre com aproximadamente 50% das prestações quitadas. E o que caracteriza esse tipo é que a soma da amortização com os juros deverá resultar sempre em um mesmo valor de parcela.

Exemplo de cálculo da tabela PRICE

Conforme exemplo do Blog Sage imagine que você tenha financiado a compra de um carro de R$ 25.000,00 em 60 meses com uma taxa de 1,5% de juros ao mês. O valor final de cada parcela do financiamento será R$ 634,84, sendo que a primeira parcela terá aproximadamente 59,07% de juros e a última 1,47% apenas.

Sistema Americano

Ele consiste em um método de amortização onde os pagamentos mensais são equivalentes ao valor dos juros, não havendo, dessa forma, amortizações mensais. Nesse caso o pagamento total da dívida é feito em uma parcela única, ao final do prazo estabelecido para pagamento dela.

Então, é realizado apenas o pagamento dos juros da dívida, deixando o valor da dívida constante, podendo ser paga em um único pagamento. Os juros vão sempre incidir sobre o valor original da dívida, ou seja, o devedor pode quitar a dívida quando quiser.

Porém, é preciso ficar atento pois os juros podem ser perpétuos mesmo quando já se pagou o equivalente a dívida em si. Para isso, basta que o número de prestações exceda 100% quando da soma dos juros simples.

Resumidamente, as parcelas assumidas dizem respeito apenas aos juros referentes ao total da dívida, essa amortização pode ser paga apenas ao final das parcelas que correspondiam aos juros.

Pagamento Único

Nesse método de pagamento, ao final de um determinado período, o valor da dívida, acrescido de juros, é pago de uma única vez. Ou seja, a amortização e os juros são quitados juntos em apenas um pagamento.

Por qual método de amortização optar?

Você viu que falamos sobre o que é a amortização e quais são os métodos que podem ser utilizados para pagar uma dívida. Tabela SAC, Tabela PRICE, Sistema Americano e Pagamento Único.

No Brasil os mais comuns são SAC e PRICE. Então, basicamente em um financiamento ou empréstimo você terá que optar por um desses dois.

Enquanto na Tabela SAC as parcelas vão diminuindo com o passar do tempo, na Tabela PRICE as parcelas contam todas com o mesmo valor.

Sabendo apenas dessa informação parece que o método SAC é melhor do que o PRICE. Mas, muitos outros aspectos precisam ser analisados, principalmente os juros que irão recair sobre a dívida.

Ao entender cada tipo de amortização você terá maior facilidade em descobrir qual é o ideal a ser feito em uma determinada situação. Porém, contar com o auxílio de um profissional para fazer uma simulação correta é fundamental.

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Entre em contato conosco que vamos te ajudar!

Novidades em seu e-mail!

Receba em primeira mão a Newsletter da Djazil


Envie sua crítica ou sugestão