Porque o contador deve ser seu consultor

por Adove Comunicação / 08 Janeiro 2018 / Sem Comentários

Nas pequenas empresas, a presença de um consultor pode livrar o negócio de ciladas, bem como identificar oportunidades de economia e de crescimento. E o contador é um excelente profissional para atuar na consultoria de gestão empresarial. Foi-se o tempo que o contador era um mero prestador de contas e executor de cálculos, devido ao seu conhecimento técnico ele pode assumir outras funções e trazer muitos benefícios para a empresa. Veja mais!

O contador é o profissional responsável por fazer a prestação de contas de toda empresa legalmente constituída. Sua contratação não é obrigatória, porém seu trabalho é indispensável devido às diversas obrigações fiscais das empresas e o alto nível de complexidade que envolvem. Além disso, o contador pode atuar como peça chave na tomada de decisões estratégicas e fazer diferença nos resultados e no crescimento do negócio.

Pesquisa Sebrae

Para compreender um pouco mais da relação entre pequenas empresas e contadores, o Sebrae realizou uma pesquisa com mais de 6 mil donos de negócios. Alguns resultados são interessantes de serem destacados. Do total de entrevistados, 72% contrata serviços de empresas de contabilidade. Os outros 28% recorrem à profissionais autônomos para cuidar do serviço contábil. Quase a totalidade, 97%, respondeu que deixa a cargo do contador as tarefas como balancete, folha de pagamento, obrigações trabalhistas e tributárias.

contabilidade djazilNo âmbito mais estratégico, os empresários foram questionados se concordavam com a ideia de que contadores só servem para cumprir obrigações da empresa, e o nível de concordância com a afirmação levou nota de 7,4 (numa escala de 0 a 10). Apesar disso, 79% dos entrevistados responderam que o contador deveria dar mais recomendações que visam o crescimento do negócio. E apenas 25% disseram já receber esse tipo de recomendação com alguma regularidade.

Metade dos entrevistados contou que só conversa com o contador de uma à duas vezes por mês. Como atuar de forma mais participativa e realizar boas recomendações com um contato tão escasso? Esses números são suficientes para percebermos que o contador é um profissional que é visto de uma forma e trabalha de outra. Devido a uma série de fatores, especialmente relacionados a comunicação, o contador é visivelmente subutilizado dentro das empresas!

A importância da Consultoria em Gestão Empresarial

A seguir, daremos alguns exemplos de situações em que o profissional contábil pode ser utilizado para além de sua função “padrão”, e sim de forma mais estratégica e visando o crescimento e a saúde do negócio:

– Escolha do Regime Tributário

Além do cumprimento das obrigações escriturárias fiscais, o contador é deve ser o responsável por orientar os donos de negócios sobre qual regime tributário escolher, por exemplo. A escolha do regime tributário é uma etapa vital para o planejamento de uma empresa, que impacta diretamente no quanto ela vai lucrar ou deixar de ganhar, e deve ser reavaliada e, se preciso, redefinida todos os anos. As consequências de uma escolha equivocada sobre qual regime tributário optar podem ser desastrosas!

Essa escolha implica na consideração de múltiplas variáveis tributárias, que vão dizer qual é a melhor opção. O profissional competente para lidar com um cenário tão complexo (em termos de tributação) é o contador! Raramente o empreendedor terá conhecimento técnico suficiente para tomar essa decisão, por isso é importante que haja participação do profissional contábil no processo, diminuindo os riscos para a empresa e auxiliando de forma estratégica nos resultados.

Exemplo: existe uma crença de que o Simples Nacional é, automaticamente, o melhor regime tributário para pequenas empresas. De forma feral, o Simples realmente é a maneira mais rápida e prática para pequenos empresários prestarem contas ao governo. Entretando, dependendo do ramo e das características de atuação da empresa, essa pode não ser a opção mais vantajosa economicamente. Ou seja, mesmo sendo o regime mais usual, isso não significa que sua escolha deva ser feita sem critérios. Talvez, para esse negócio em específico, seja mais vantajoso optar pelo regime de Lucro Presumido, por exemplo.

– Isenções fiscais

A escolha do regime tributário mais adequado é apenas um exemplo de como o contador pode exercer papel decisivo nos resultados da empresa, mas existem outros! Nunca devemos ignorar que o regime tributário brasileiro é extremamente complexo. O apoio profissional do contador para lidar com essa complexidade é importante e até um diferencial competitivo.

Existe uma forma de fazer uso das isenções fiscais estrategicamente, conhecida como elisão fiscal. De início, pode parecer se tratar de um recurso ilícito, mas nada mais é do que o aproveitamento inteligente dos benefícios e exceções que o governo abre na tributação. O único profissional habilitado para lidar com isso e reconhecer as brechas é o contador.

contabilidadeExemplo: Supondo que a empresa X pretenda explorar um novo nicho de mercado. Para isso ser possível, a organização passará a produzir um tipo de produto cuja matéria-prima deve ser comprada em outros locais. O contador, por conhecer as minúcias da legislação, pode orientar sobre produtos isentos de IPI e também como tirar vantagem dos incentivos fiscais para alavancar o crescimento da empresa e obter mais lucro. Caso a empresa simplesmente decidisse assumir essa nova empreitada sem consultá-lo, não haveriam riscos fiscais diretos, mas correria, no mínimo, o risco de reduzir a sua margem de lucro. Por que não utilizar o profissional contábil para lucrar mais?

Finanças

Em muitos casos, como o fluxo de caixa pode apresentar variações, nem sempre o capital de giro se mantém estável. Quando os empresários operam no automático, ou seja, deixam de se reportar à contabilidade para avaliar a real situação das contas da empresa, os donos de negócios começam a criar uma perigosa zona de conforto. A falta de comunicação entre o empreendedor e o serviço contábil pode gerar a falsa impressão de que está tudo controlado, quando na verdade as coisas podem estar se encaminhando para um “rombo”.

Embora contadores lidem com as finanças regularmente, nem sempre estarão preparados para antecipar perdas, especialmente se não estão inseridos no que acontece na empresa. Se não é cultivado o hábito de conversar sobre as finanças da empresa como um todo, dificilmente haverá processos ou um fluxo de trabalho orientado a prevenir isso. A troca de informações deve ser estimulada diariamente, por meio do contato remoto ou até mesmo em reuniões de trabalho informais. Com a troca, contadores ficam sabendo dos projetos da empresa ou se há alguma dificuldade, enquanto os donos coletam dados financeiros fundamentais para orientar ações.

Não deixe de falar com seu contador! Use-o de forma estratégica!

A consultoria em gestão empresarial é fundamental para os líderes que querem o crescimento sólido e sustentável de seus empreendimentos. E o apoio do contador, seja interno ou terceirizado, é fundamental neste processo.

Novidades em seu e-mail!

Receba em primeira mão a Newsletter da Djazil


Envie sua crítica ou sugestão